Interrogação Flutuante

By | 21:44:00 1 comentário
(...) Quando Copacabana surgiu eu já estava muito cansado. Alguém gritou meu nome da calçada e eu devolvi o carinho com um aceno, mas não consegui identificar a pessoa (...)

Um fotógrafo da SportClick captou meu esgotamento ao completar a maratona.

Interrogação Flutuante

Amigos!

É sempre assim... Antes do início da corrida, no Recreio, eu revi amigos, contei piadas e tirei meia dúzia de fotos para as redes sociais. Disfarcei minha ansiedade com sorrisos sinceros e larguei na Maratona do Rio, sem saber se iria completá-la ou não, e pensei:

-- Eu sei que não estou treinado para correr 42 km, então vou seguir devagar, até onde der...

Na mão direita levei o iPhone e na esquerda o meu Plano B: um agasalho, quebra-vento preto, para vestir quando eu quebrasse. Nesse caso, pegaria o primeiro ônibus que cruzasse a fria manhã de domingo, rumo ao Aterro do Flamengo - local da chegada. Desprovido de ambição pessoal, eu festejaria a chegada dos amigos... A não ser que eu não quebrasse (quem sabe?) e chegasse até o final.

Céu fechado e sorrisos abertos marcaram o percurso do Recreio até a Barra. Cheguei à Praia do Pepê e atingi a metade do trajeto (21 km), sem problemas. Cruzei túneis e elevados até São Conrado, subi e desci a encosta da Avenida Niemeyer. Alcancei o Leblon sem maiores sinais de cansaço, mas sabia que o pior estaria por vir.

Diante de mim flutuava um imenso ponto de interrogação, feito balão. E eu não conseguia passar por baixo dele de jeito nenhum. Meu ponto de interrogação se portava como um arco-íris - a gente se aproxima e ele se afasta, na mesma proporção. Meu ponto de interrogação escapou da pergunta que corria comigo: Será que eu consigo completar a maratona(?)

Quando Copacabana surgiu eu já estava muito cansado. Alguém gritou meu nome da calçada e eu devolvi o carinho com um aceno, mas não consegui identificar a pessoa. Clareou um pouquinho e a pontuação flutuante sumiu, justamente no momento que eu pensei:

-- Se cheguei até aqui, vou completar a prova de qualquer jeito!

E assim foi, completei... Cheguei embaixo de chuva forte, totalmente esgotado. Tentando sugar energia do ar para produzir movimento. O orgulho que eu senti  - por completar a prova sem ter treinado - não foi suficiente para erguer os meus ombros. Tudo que eu queria era tomar um banho e me deitar. Meu tempo de prova foi altíssimo: 4:55h, e eu nem ia tocar nesse assunto aqui... Mas quando vi essa foto tenebrosa, acima, lembrei dos terríveis cinco quilômetros finais, não resisti e postei.

As lesões me roubaram as duas últimas edições da Maratona do Rio e quase me roubam a terceira. Quando eu faria minha inscrição, me lesionei. Demorei muito para me curar e as inscrições encerraram. Quando eu menos esperava, uma janela de inscrições se abriu com poucas vagas e eu nem pensei... Entrei pela janela e saí pelo pórtico de chegada!

Abraços!
Bira.





Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

1 comentários:

OZEIAS CARLOS disse...

Parceiro vc é "1000"