Últimos Posts

Diário de Treinos no Whatsapp - XLII

(Rio, domingo, 04.12.22)

Correndo nas Praias, Falésias e Estradas de Pipa (RN)

(com vídeos, partes 1 e 2)

O treino de hoje foi no litoral nordestino, mais precisamente em Pipa, situada 90 km ao sul de Natal RN.

Nas praias banhadas por águas que tem golfinhos e tartarugas marinhas, além de estarem entre as mais belas do Brasil.

Eu nunca perco a oportunidade de treinar por onde passo. Não seria diferente desta vez. Sinto-me mais forte e motivado ao dividir minha emoção com vocês: Preparem-se! Vamos correr em Pipa!#


obs.: os vídeos do WhatsApp são fracionados para "caber" no aplicativo, além de perderem qualidade devido à baixa resolução. Para assistir à versão completa e melhor definida, acesse ao blog: birananet.com

TREINOS DO DIA:

14,85 km em piso de areia, barro e pedras.

Ritmo: X:XX / km;

Tempo: não calculado.


Até a parte XLIII

Abraços!

Bira.

Confira *toda série* de postagens do Diário de Treinos no Whatsapp no blog 👉🏻 birananet.com


Diário de Treinos no Whatsapp - X

(Rio, terça, 29.11.22)

Histórias de Corrida: Correndo com Amigos da Serra Gaúcha


Parte 2 - Correndo nas Trilhas do Vale da Linha 28

Raios de sol enviezados, no aproximar do fim da tarde, realçavam o tom dourado da estátua do Kikito. Um vento discreto acariciava as bandeiras na famosa rotatória da Avenida Borges de Medeiros, parada obrigatória para fotos de quem visita Gramado. 

O Kikito tem postura postura altiva: seus braços estão fechados, mas um imenso sorriso se abre e reluz na face de sol. Marquei ali o primeiro encontro com o atleta veterano Cláudio Salles, que como eu já chegou correndo e pronto para treinar. Mas antes, fui apresentado ao comerciante Luiz Ataliba e ao jovem Jonatha Leomar. Descemos a serra de carro rumo à Linha 28, para correr no local que eu não conhecia. 

Despido de nuvens, o céu não aparentava profundidade ou movimento. Expelia sim, um azul encantador entrecortado pelos pinheiros que passavam correndo na margem da estrada. Logo, o automóvel abandonou a via de asfalto estacionou no início de uma trilha de terra. 

Quando saímos do carro, o vale se apresentou totalmente para meus olhos, meus ouvidos, meu faro e meu tato. Meu paladar, no entanto, ficou reprimido diante de um pé carregado de bergamotas maduras dentro das propriedades de um sítio. 

Eram sítios e fazendas que a estrada de barro, onde começamos a trotar, cortava. Também eram matas nativas, com corredeiras de água cristalina ou pinheirais que expelem perfume. Em determinados trechos os ramos de árvores altas, fincadas nos dois lados da estrada se abraçam formando túneis. Se uma subida repentina nos castigava, a seguir vinha uma descida a nos aliviar. Estávamos entre Gramado e Canela, embrenhados na mata que não respeita ou define limites. Corremos, ali, cerca de 12 km de uma região ignorada por quem vai conhecer uma das cidades mais visitadas do Brasil.

A noite caiu de repente, feito um balão apagado. Pássaros calaram dando vez aos insetos e um jasminzeiro, que antes passou despercebido, expeliu seu perfume noturno... O treino acabou.

De minha parte eu já estava mais que satisfeito, meus amigos porém, marcaram um treino derradeiro para a manhã seguinte... Até lá!#


TREINOS DO DIA:

1 h de musculação na Academia Race;

5,12 km de trote na Oliveira Belo;

Ritmo: 5:37 / km;

Tempo: 1 h e 1 min.

Até a parte XLI

Abraços!


Bira.

Confira toda série de postagens do Diário de Treinos no Whatsapp no blog 👉🏻 birananet.com

Diário de Treinos no Whatsapp - XXXIX

(Rio, terça, 29.11.22)

Histórias de Corrida: Correndo com Amigos da Serra Gaúcha 

Parte 1 - Gramado: Amigos e Flores!

Em 2013, eu criei um projeto pessoal que denominei: Um Treinão Em Cada Estado. A ideia seria viajar para treinar com grupos de corredores pelo Brasil, sem prazo para conclusão. Naquela época, eu tinha um sem-número de amigos seguidores de rede social ou leitores do meu blog.

Comecei pelo Rio, juntando 80 amantes da corrida rumo ao Alto do Sumaré. Depois fui treinar com Nilo Resende, blogueiro de Goiânia, que me convidou para sua bela cidade. No ano seguinte, resolvi fazer um treino em Gramado... Só que tinha um problema: eu não conhecia ninguém na Cidade do Kikito e não valia fazer o treino sozinho, apenas com atletas locais.

Insistente que sou, liguei para as academias da cidade turística na busca por corredores. Uma delas me encaminhou para Beto Bocalon - um organizador de eventos esportivos. Na conversa, descobrimos que já éramos "amigos no Facebook"(!), quando Beto indicou o corredor Claudio Salles, para treinar comigo.

Resumindo: tudo isso ocorreu em agosto, mas eu nem esperei o desabrochar das hortências, de fim de ano, para chegar na serra no mês seguinte.

Finalizo esta postagem descrevendo as Flores de Gramado, reproduzindo três estrofes de uma descrição que fiz na época:

(...) "Flores comportadas se exibem nos canteiros rasteiros das calçadas ou nos canteiros centrais das avenidas.

"Flores ousadas escalam paredes ou se atiram, em ramos, do alto de um muro sobre um passante, na calçada.

"Flores narcisas admiram seu próprio reflexo na vitrine de um atelier ou se espelham no olhar de um turista encantado." (...)

Isto é Gramado!... Sobre os treinos que fiz, aguarde as próximas postagens.#

TREINOS DO DIA:

11 km de corrida por Irajá, Vila da Penha, Brás de Pina e Penha;

Ritmo: 5:37 / km;

Tempo: 1 h e 1 min.


Até a parte XL

Abraços!

Bira.

Confira todas as postagens do Diário de Treinos no Whatsapp no blog: birananet.com

Diário de Treinos no Whatsapp - XXXVIII

(Rio, sexta, 25.11.22)

Histórias de Corrida: Maratona de Buenos Aires - Parte 6 (Final)

Quando Eu Vi Tudo se Mover em Câmera Lenta...

O domingo da BA Marathon amanheceu nublado e frio para 8.000 corredores que se concentraram diante do pórtico de largada,  instalado em Belgrado - bairro nobre portenho, a poucos metros do Estádio Monumental de Nuñes.

Dei a largada vestindo quebra-vento por cima da camiseta, planejando tirar depois que o corpo esquentar. Despedi do meu amigo Sandro, que disparou à frente num ritmo inatingível para mortais como eu. Sem falar que uma não-diagnosticada fascite plantar já me incomodava - é que as dores na sola do pé sempre desapareciam durante uma corrida, e eu não tratava o problema por julgar que fosse algo  normal.

Amenizado o problema,  deliciei-me de novo, dividindo cada metro conquistado da cidade com os demais corredores. Adentramos animados nas ruas do Centro, foi quando um cachorro maratonista surgiu, em meio a nós - seus pares humanos - correndo em ritmo forte com um palmo de língua para fora, de forma que eu não consegui acompanhá-lo. Estávamos no quilômetro 10, quando o cão sumiu entre centenas de pernas para ressurgir no quilômetro 16, causando risos... Tentei filmá-lo, não consegui: ficou gravado apenas na memória.

A distância entre os corredores aumentava a cada quilômetro vencido. O desgaste abatia quem não estava bem preparado, principalmente na altura do trigésimo quilômetro. Os organizadores da prova sabiam, por isso prepararam uma comovente surpresa em Porto Madero: um corredor de pessoas portando cartazes, bradando palavras de incentivo ao som de música instrumental, onde as caixas acústicas foram posicionadas para causar envolvimento!...

Juro para vocês que naquele momento eu tinha a sensação de ver tudo em câmera lenta! Nunca vi nada igual em qualquer outra corrida e tudo que ocorreu depois não teve mais importância, nem mesmo minha a chegada! #

TREINOS DO DIA:

1 h de musculação na Academia Race;

5 km de trote na Oliveira Belo:

Ritmo: 5:09 / km;

Tempo: 25:50 min.

Até a parte XXXIX

Abraços!

Bira.

as postagens do Diário são publicadas depois no blog: birananet.com

Diário de Treinos no Whatsapp - XXXVIII

(Rio, quinta, 24.11.22)

Histórias de Corrida: Maratona de Buenos Aires - Parte 5

Em 2012, O Retorno!

Dois anos depois, dentro de um outro cenário econômico, eu voltei a correr BA MARATHON. Não é novidade ver a Argentina mergulhada em crise, mas naquele ano a coisa estava pior. 

Acompanhou-me o amigo Sandro Rodrigo, que atualmente não sei onde anda (ou corre). Outra vez, utilizei as milhas do cartão de crédito para adquirir nossas passagens  e a pior das surpresas é que o Sandro estava com pouco dinheiro, bem menos que eu! Por isso, quando descemos de um taxi na _Av. 9 de Julio_, eu sugeri que comêssemos sanduíche com batata frita no Mac Donalds, mas o Sandro insistiu entrarmos em um restaurante nas proximidades do Obelisco.

Sandro foi fisgado por um cartaz, preso à vritine do restaurante, com imagens de deliciosos pratos da culinária italiana expondo preços módicos e inacreditáveis. Conhecedor, que eu era, da malemolência portenha alertei ao amigo: 

- Esse preço está errado! Vão cobrar muito mais!...

Mas o meu amigo estava pensando com o estômago e já foi fazendo a menção de entrar no comércio. Segurei-o pelo braço e lhe disse:

- Tudo bem, Sandro, mas vamos fazer o seguinte: quando colocarem as torradinhas na mesa, não tocamos em nada!... Primeiro vamos conferir o preço dos pratos, qualquer coisa a gente sai sem avisar!

Dito e feito: os preços expostos na vitrine eram apenas das massas cozidas na água e sal - ao acrescentarmos molho e complementos o preço multiplicava por quatro... Resultado: saímos de fininho, rumo ao Mac Donalds...

Quando chegamos na próxima esquina, ouvimos freadas no trânsito e carros avançando o sinal: era um assaltante com arma em punho, que parecia ter abordado um táxi e fugia correndo no asfalto... Se eu não tivesse bastante assustado, teria dito ao meu amigo em tom jocoso:

- Bem-vindo a Buenos Aires!#

Continua na parte 6


TREINOS DO DIA:

Dia: off.


Até a parte XXXIX

Abraços!

Bira.

as postagens do Diário são publicadas depois no blog: birananet.com

Diário de Treinos no Whatsapp - XXXVII

(Rio, quarta, 23.11.22)

Histórias de Corrida: Maratona de Buenos Aires  - Parte 4

A Magia e o Choro

Eu interpreto que imensos guindastres de Porto Madero são, na verdade, esculturas postadas num gigantesco salão conversível de arte. Quando um atleta, como eu, cruza correndo aquela região, sente que é mais um elemento daquela instalação: é mágico!

Os Magia passam ali, justamente nos piores momentos da maratona, quando se deve superar "o muro" dos 30 km e o "bujão de gás" interno dá sinais de esgotamento.

No meu caso, no entanto, eu ainda estava bem. Abastecido com Gatorade fartamente distribuído, em toda prova. Alimentado pelas frutas (banana, laranja, passas e ameixas secas) ofertadas aos atletas.

Cheguei a pensar que concluiria  a corrida com o tempo de 3:22h - um récorde pessoal, algo compensador para meus 51 anos de idade, até então.

Segui otimista, mas no km 37 senti dores nos ombros e abdômen. Meu ritmo caiu. Melhorei das dores no km 39, mas foi a vez do esgotamento chegar (faltando apenas três quilômetros para a conclusão) e eu não conseguia acelerar. Para piorar, o percurso ficou confuso entre árvores e arbustos do mesmo parque em que demos a largada. Emocionalmente, briguei comigo mesmo, para chegar ao final. Retomei, no km derradeiro, a Avenida Presidente Figueiroa Alcorta e completei a prova tomado de choro e emoção(...) 

Concluo este relato com parte de um texto que escrevi na época, descrevendo esta chegada:

(...) "Um corredor argentino amparou-me com um abraço, chamando-me de "campeón", mas ele próprio acabou chorando junto... Parecia tango!..."#


TREINOS DO DIA:

1 h de musculação na AcademiaRace;

Corrida: off.


Até a parte XXXVIII

Abraços!

Bira.

as postagens do Diário são publicadas depois no blog: birananet.com

Diário de Treinos no Whatsapp - XXXVI

(Rio, terça, 22.11.22)

Histórias de Corrida: Maratona de Buenos Aires - Parte 3

(Recaptulando: nas partes 1 e 2 eu descrevi a viagem solitária iniciou de madrugada, no Aeroporto do Galeão e terminou 12 horas depois, na recepção de um hotel portenho, diante da carranca do recepcionista. No dia seguinte, giros pela cidade e o sufoco para chegar a tempo de largar, no terceiro dia...)

A Largada de BA Marathon 

Naquela manhã de domingo, o sol tentava se erguer por detrás de troncos retorcidos das árvores da Avenida Presidente Figueiroa Alcorta. Por enquanto, prevalecia uma brisa matinal tentando acalentar os sete mil corredores prontos para dar início à BA Marathon.

As proximidades do estádio do River Plate tem paisagismo exemplar. Resguardadas as diferenças das espécies vegetais, pode ser comparada com o Parque do Flamengo ou do Ibirapuera. 

O pórtico de largada seria o mesmo da chegada, ladeado por arquibancadas montáveis repleta de público. Tudo estava perfeito, mas a ideia de colocar um imponente cantor interpretando o interminável hino argentino, antes da largada, foi um balde d'água em quem estava aquecido... Tudo bem: um tiro de festim liberou a manada de atletas comigo no meio!

Foi delicioso correr BA Marathon. Considerei, pelo menos naquela época, uma prova bem superior à do Rio. Pequenos palcos com músicos e cantores foram instalados ao longo dos 42 km, diversificando os ritmos e dando um clima de festa ao evento. Grande parte trajeto foi prestigiado por plateia que aplaudia e incentivava os corredores... Cheguei a ouvir: "Vamos brasileño! em meio a um alarido no Centro, algo que nunca esqueci.

A passagem dos corredores em frente à Bombonera (estádio do Boca Jr.) marcou a metade da prova. A longa conversa com outro corredor de Goiás, conhecido ali mesmo no percurso, foi algo inusitado e só interrompido quando eu percebi que estava perdendo o ritmo. Voltei a acelerar e despedir do amigo, para nunca mais, e entrar nos domínios de Porto Madero... Mas isso é para ser contado na parte IV.#

TREINOS DO DIA:

1 h de musculação na AcademiaRace;

5,09 km de corrida na Oliveira Belo:

Ritmo: 5:19 / km.

Tempo: acima de 27m 02s


Até a parte XXXVII

Abraços!

Bira.

as postagens do Diário são publicadas depois no blog: birananet.com

Diário de Treinos no Whatsapp - XXXV

(Rio, segunda, 21.11.22)

Recreio - Grumari, ida e volta

Treino em Vídeo, Partes 1 E 2!

Aproveitando a beleza deste dia, fui correr em Grumari e colher belas imagens para meus amigos de todo Brasil.

Infelizmente o WhatsApp não permite enviar vídeos melhor configurados e ainda se tem que dividir em duas partes para não serem cortados... Mas eu faço o que posso para dividir minha felicidade com vocês!

Segue as partes 1 e 2: Corre comigo!#

TREINO DO DIA:

14,58 km (bem mais longe de casa);

Ritmo: 6:31 / km.

Tempo: acima de 1h 35m

Detalhe: muito calor!


Até a parte XXXVI

Abraços!

Bira.

as postagens do Diário são publicadas depois no blog: birananet.com

Diário de Treinos no Whatsapp - XXXIV

Pedal de Sábado 

A julgar pelo título, até parece que eu estou pedalando regularmente... O fato é que não! A bike esteve de lado depois de eu sentir dores causadas pelo celim. Comprei outro, de gel, e fui testar. Fiz 37km, iniciando no Aterro a seguir pela orla e dar uma volta na Lagoa, depois voltar para encerrar no Centro. O incômodo diminuiu, mas continua. Vi num fórum que pode ser devido à falta de prática, entre várias opiniões divergentes.

Pretendo repetir essas pedaladas nos próximos sábados e continuar minhas corridas nos outros dias da semana. 

Segue um reel de um trecho do pedal, na Enseada de Botafogo.#

TREINOS DO DIA:

37 km de pedal na ciclovia:

Ritmo: 16,03 / km.

Tempo: 2h 16m 28s


Até a parte XXXV

Abraços!

Bira.

as postagens do Diário são publicadas depois no blog: birananet.com

Diário de Treinos no Whatsapp  - XXXIII

(Rio, sexta, 18.11.22)

Histórias de Corrida: Maratona de Buenos Aires  - Parte 2

Os painéis do Aeroporto de Ezeiza marcavam três horas da tarde. Fora do saguão, o sol coloria a tarde, mas não tinha força suficiente para aquecer Buenos Aires.

Escolhi pegar um ônibus comum, rumo ao Centro, logicamente para economizar. O problema é que eu não sabia que a condução, volta e meia, abandonaria a estrada principal para serpentear nas periferias, onde turistas não passam.

Fiquei inseguro, a cada parada, nos lugares que lembravam a Baixada Fluminense. Da janela do ônibus eu percebi que muitos camelôs, espalhados pelos centros daqueles bairros pobres, seriam imigrantes africanos. Algo parecido com os bolivianos que vendem roupas ao longo da Rua Uruguaiana, no Rio.

Ainda era tarde quando eu cheguei no Centro, mas a luminosidade caiu bruscamente no momento em que cruzei a porta de vidro do hotel: Vi a noite personificada no olhar antipático do único recepcionista. Fiz algumas perguntas sem obter respostas, algo muito esquisito... Só restou me trancar no quarto e de lá só sair para jantar num restaurante próximo.

Fui retirar o kit da corrida, na manhã seguinte, ao lado da imponente Faculdade de Direito. Depois rodopiei a pé na capital portenha como se estivesse no Rio.

Buenos Aires estava repleta de brasileiros que aproveitavam o câmbio favorável para fazer turismo e compras. Tentei me aproximar de outros corredores do Brasil, pois nem sabia direito como chegar ao local de largada, no dia seguinte, mas não tive sucesso.

O fato é que sozinho, eu tinha receio de pegar táxi e ser vítima do velho golpe do "dinheiro falso", onde o taxista chama um policial para extorquir turistas. Descobri um ônibus que, devido o trânsito desviado, me deixou distante do destino. Só me restou pedir carona na estrada para supostos corredores que passasem. Dei sorte: um casal de atletas chilenos parou e me mandou entrar no carro. Utilizei meu Portunhol com mestria e até fui convidado para a Maratona de Santiago!... Cheguei a tempo de largar (ufa!) em meio a milhares de atletas na Maratona de Buenos Aires 2010!

Tem mais de BA Marathon nas postagens seguintes, aguarde...#

TREINOS DO DIA:

1 h de musculação na AcademiaRace;

7,00 km de corrida na Oliveira Belo:

Ritmo: 5:30 / km.

Tempo: acima de 38m 29s


Até a parte XXXIV

Abraços!


Bira.

as postagens do Diário são publicadas depois no blog: birananet.com

Diário de Treinos no Whatsapp - XXXII

(Rio, quinta, 17.11.22)

Histórias de Corrida: Maratona de Buenos Aires - Parte 1

Na caixa de entrada dos e-mails surgiu um anúncio da Maratona de Buenos Aires. Curioso, cliquei para ver os detalhes como o pobre que olha uma vitrine de roupas caras - assim meio de lado... Era o ano de 2010, no entanto, e o cambio tornava a inscrição para a prova bastante barata. Deu vontade de fazer.

Descobri no Booking bons preços de hotéis na capital portenha e me lembrei que eu tinha milhas no cartão de crédito, permitindo fazer a viagem de graça!... Pronto, lá fui eu, dias depois, rumo à Ezeiza Airport!

O voo noturno, teria cinco horas de conexão - só para dizer que o barato sai caro. Resgatei um pequeno texto perdido, no meu blog, descrevendo a espera para trocar de avião:

"A noite passou e eu não dormi. O vôo noturno obrigou-me a chegar no Aeroporto do Galeão antes das três da manhã. Agora, em Guarulhos, devo aguardar infinitas cinco horas para trocar de avião e seguir para Buenos Aires... Paciência. Deito a bagagem no carrinho, relaxo o corpo sobre a poltrona de aço e escrevo. O cheiro dos folhados não me desperta fome matinal. Preferiria comer uma fruta e pão francês crocante com manteiga. No lugar de café, um suco. Mas nem tenho pressa de procurar isso agora.

"Nesta véspera de feriadão (08/10) o terminal está movimentado. Uma onda de sono faz meus olhos cerrarem e as mãos pararem de escrever. Antes que a caneta caia, acordo, mas não abro os olhos – brinco de tentar visualizar o panorama no terminal. De olhos cerrados ouço as rodas dos carrinhos e das malas deslizarem no chão de granito. O espocar dos saltos de sapatos femininos marcando o ritmo de conversas contidas. Sinto que vou dormir e, por segurança, jogo as pernas sobre a bagagem.

"O sono vem e interrompe este relato..."

Tem mais de BA Marathon nas postagens seguintes, aguarde...#

TREINOS DO DIA:

1 h de musculação na Academia Race;

7,02 km de corrida na Oliveira Belo:

Ritmo: 5:10 / km.

Tempo: acima de 36m 19s


Até a parte XXXIII

Abraços!

Bira.

as postagens do Diário são publicadas depois no blog: birananet.com



Diário de Treinos no Whatsapp - XXXI

(Rio, terça, 15.11.22)

Treino pela Liberdade

Hoje escolhi ir correndo de Irajá  até o Centro da Cidade, mais precisamente a Central do Brasil. Fiz meu protesto solitário pela liberdade poder de falar o que quero sem ter medo da pena de um juiz militante ou dos próprios militantes do "politicamente correto" querendo me calar.

O trajeto que fiz é usual em meus treinos: de Irajá a Bonsucesso, por dentro, até entrar na Avenida Brasil pela esquina da Toulon, com pouco mais da metade do trajeto. Depois disso, seguir até o Centro, pela calçada, no fluxo dos carros.

O sol castigou bastante e eu também não estava nos meus melhores dias, tornando o treino especialmente difícil. Por isso fiz muitas paradas para hidratação, bebendo Guaraviton, água mineral, "coquinha", Gatorade e outra Coca-cola de garrafa no final. Para quem estranha a Coca-cola nesse "cardápio", saiba que nos treinos puxados dá sensação de conforto praticamente imediato. Tanto que historicamente no antigo percurso da Maratona do Rio, um grupo de voluntários armava uma "banca de hidratação clandestina" e distribuía copos deste refrigerante, de graça, na saída do Túnel Novo. Corredores esgotados agradeciam aqueles "anjos" e ganhavam forças para chegar até o Aterro e pegar sua medalha.

Concluí o treino com 21 km (meia maratona) percorridos, mas não encontrei nenhum amigo em meio aos milhares de manifestantes. Estava bastante cansado e um banho com água mineral diluiu o sal do corpo, dando condições de pegar o metrô e voltar para casa.#

TREINOS DO DIA:

21,1 km de corrida;

Ritmo: 6:14 / km.

Tempo: acima de 2h 11m 39s


Até a parte XXXII

Abraços!

Bira.

as postagens do Diário são publicadas depois no blog: birananet.com



Diário de Treinos no Whatsapp - XXX

(Rio, segunda, 14.11.22)

Histórias de Corrida: Nos VALES de Minas Gerais (p1)

Quando embarquei em um ônibus, na rodoviária de Belo Horizonte, era agosto de 2013 e meu destino a Cidade de São José do Goiabal.

Situada a 180 km, na direção leste, de Belo Horizonte, a pequena Goiabal tinha pouco mais de 5.000 habitantes e uma corrida de rua, no dia seguinte, que eu pretendia fazer.

A Viagem Pela Estrada...

Pouco a pouco, uma paisagem repleta de casas inacabadas da periferia foi sendo substituída pelo mato. Até que os vales mineiros, enfim, se apresentaram, tornando a estrada num rio de asfalto. 

Dentro da condução, o ronco abafado do motor uniu-se ao chiado dos pneus no chão sinuoso. A luz da tarde revelou, pelas janelas, novas tonalidades de verde nos montes. Aquele verde invadiu os meus olhos, pacificando a mente e atraindo o sono. Desfaleci, enquanto enquanto atrás de uma montanha o sol também desfalecia...

Acordei no escuro da noite, pouco antes do fim da viagem. Fora do ônibus, a beleza havia se transferido da mata para o céu. Acendi a luzinha do teto do ônibus e escrevi o seguinte texto:

"O céu da noite mineira era um papel de parede onde as nuvens pareciam ser milhares de ovelhas. Em meio a este rebanho, uma metade de lua procurava brechas para aspergir seu brilho. Mas a fraca luz do pedaço de lua não conseguiu revelar toda a brancura das nuvens-ovelhas. Seu brilho humilde projetava nelas uma tonalidade opaca, cor-de-fantasma-flutuante...

"Enquanto as nuvens-ovelhas-fantasma dormiam, o pedaço de lua se exibia para os olhos de Minas Gerais.

"Na janela do ônibus que risca uma estrada de subidas e curvas, o olhar humano se adapta, enxergando no quase escuro. Uma casinha distante parece perdida na mata escura, onde alguns pontos de luz são semelhantes às poucas estrelas visíveis no céu..."

Sobre a corrida, do dia seguinte, eu posso relatar outro dia... É que correr nos conduz a experiências como esta e eu não vou deixar passar isso em branco!#

TREINOS DO DIA:

1h de musculação;

5,09km de trote na pista da Av. Oliveira Belo;

Ritmo: 5:16 / km;

Tempo: acima de 26m 47s


Até a parte XXXI

Abraços!

Bira.

as postagens do Diário são publicadas depois no blog: birananet.com


Diário de Treinos no Whatsapp - XXIX

(Rio, sexta, 11.11.22)

O Ovo, a Galinha e o Especialista

São sete da noite e eu me sinto animado, após mais um treino. Perguntei a um _especialista_ e ele disse que é a beta-endorfina (o hormônio do prazer que o exercício físico libera) que traz otimismo. Eu, no entanto, diria que o otimismo poderia ter vindo primeiro e foi potencializado depois...

Tenho a sorte do tal especialista não estar por perto, para abrir uma discussão do tipo "quem nasceu primeiro: o ovo ou a galinha? - a substância (endorfina) ou o sentimento (otimismo)?"... Compliquei?? 

Especialistas ignoram a fé, traduzindo tudo em ciência. Eles ignoram o invisível e ainda encontram religiosos que admitem provar a fé cientificamente - colocando a ciência em patamares acima do Divino. 

Otimismo é a fé que fervilha dentro e fora de nossas veias. A beta-endorfina, no entanto, é o que os olhos especializados conseguem ver, no microscópio, dando a ilusão de que é um princípio e não produto... Compliquei de novo??

Por fim, vos digo: O ovo e galinha nasceram juntos, num lapso milagroso que especialista nenhum conseguiria explicar! 

Para encerrar, vos afirmo: Volta e meia, a Esperança quebra paradigmas tanto quanto a cabeça de quem confia apenas nos olhos!#


TREINOS DO DIA:

1h de musculação na Academia Race;

6,19km de corrida regenerativa na Belo;

Ritmo: 5:21 / km.

Tempo: 33,06m


Até a parte XXX

Abraços!

Bira.

as postagens do Diário são publicadas depois no blog: birananet.com


Diário de Treinos no Whatsapp - XXVIII

(ESPECIAL: Partes I, II e II):

(Rio, quinta, 10.11.22)

Subida do Sumaré: Respirando Nuvens!...

(imperdível: com 03 vídeos!)

Fazia tempo que eu não corria até o Alto do Sumaré - aquele morro, vizinho do Corcovado, onde foram instaladas as antenas de TV. 

Promovi, em 2013, um treino histórico naquele local com 80 corredores - um récorde de público naquela época. Hoje fui só, encarar 700 metros de altimetria e percorrer 20 km, 15 deles de subida. Colhi belas imagens, divididas em três pequenos vídeos, para caber no seu WhatsApp... Confira!

No blog BiraNaNet eu publiquei o vídeo completo com melhor qualidade de imagem. Quem quiser confere lá também:

www.birananet.com 

#

TREINOS DO DIA:

19,71 km de subida até o Alto do Sumaré;

Ritmo: 7:02 / km.

Tempo: acima de 2h 18m

Altimetria: 700m


Até a parte XXIX

Abraços!

Bira.

as postagens do Diário são publicadas depois no blog: birananet.com